Cultura

​​​​​​​​​​​​​​​​​Nos últimos anos a CIMAC tem participado ativamente em diversos projetos na área da promoção cultural e empreendedorismo cultural.


PROGRAMA DE INCLUSÃO PELA CULTURA

 

O Programa de Inclusão pela Cultura, coordenado pela CIMAC e cofinanciado pelo Fundo Social Europeu no âmbito do Alentejo 2020, pretende promover a inclusão social junto de populações em situação de exclusão social, através de intervenções locais diferenciadas, a propor pelos agentes culturais e entidades da economia social existentes no território.

Os objetivos específicos do Programa são os seguintes:

  • Promover a inclusão social junto de populações em situação de exclusão social, através de intervenções locais diferenciadas, a propor pelos agentes culturais e entidades do 3º sector existentes no território
  • Promover o envolvimento das populações alvo desde a fase de conceção das iniciativas e criar condições para o aparecimento e valorização de mediadores culturais locais que promovam a continuidade das iniciativas;
  • Promover a articulação entre agentes culturais, autarquias (câmara municipais e juntas de freguesia), entidades do 3º sector e outras, no desenvolvimento das iniciativas locais de promoção da inclusão pela cultura;
  • Promover a mobilidade de agentes culturais em todo o território do Alentejo Central uma vez que os diversos agentes culturais que tenham interesse poderão apresentar propostas para um ou vários municípios do Alentejo Central

No âmbito do Programa, a CIMAC irá estabelecer contratos com diversos Agentes Culturais e Entidades da Economia Social, sedeados no Alentejo Central, para a implementação de ações de inclusão pela cultura nos diversos municípios que integram a CIMAC. Estas ações deverão dirigir-se aos grupos em situação de exclusão social e identificados no âmbito do Diagnóstico Social do Alentejo Central (2017), nomeadamente:

  • Idosos
  • Pessoas portadoras de deficiência
  • Jovens em risco
  • Imigrantes
  • Minorias étnicas
  • Outros destinatários em situação de exclusão social, desde que devidamente identificados e caracterizados

No dia 10 de Outubro de 2019, a CIMAC realizou uma sessão de esclarecimento sobre este Programa, dirigida a potenciais interessados em desenvolver ações de inclusão pela cultura nos municípios.

A apresentação realizada na sessão pode ser consultada AQUI​.

Os potenciais interessados deverão preencher e remeter para a CIMAC a Ficha de Intenção, disponível AQUI.

 

__________________________________________________________________________________________________________________


Chebec - Hacking the Mediterranean economy through CCI



Chebec - Hacking the Mediterranean economy through the Creative and Cultural Sector é um projecto com a duração de 30 meses que reúne 10 parceiros formais e 5 parceiros associados desde França, Itália, Malta, Portugal, Espanha aos Balcãs com a Bósnia Herzegovina e Sérvia.

A abordagem do Chebec vai buscar inspiração aos barcos mais velozes do séc. XVIII usados por comerciantes, mas também por corsários e piratas que navegavam o mediterrâneo. O Chebec procura responder a um dos maiores desafios do sector cultural e criativo no Mediterrâneo: como apoiar o acesso das indústrias culturais e criativas (ICC) a novos mercados mantendo a sua identidade, com a finalidade de favorecer a atractividade dos clusters MED para pessoas e organizações criativas. O Chebec experimentará um programa de apoio integrado para empresas, profissionais e outras organizações do sector, através do desenvolvimento de competências e contactos internacionais.

  • O programa inclui um conjunto de ferramentas inovadoras de suporte à internacionalização das ICC:
  • Metodologia para acções de mobilidade e organização de eventos de matchmaking;
  • Ferramentas de check-up para empresas e profissionais;
  • Guia online para apoio a startups do sector;
  • Esquema de vouchers de inovação.


​Serão realizadas também actividades de capacitação para decisores políticos e organizações de suporte ao sector com o objectivo de melhorar a eficácia da sua acção. Os resultados serão analisados e transferidos ao nível regional alinhados com as prioridades da Estratégia Regional de Especialização Inteligente (EREI) em cada região parceira, de modo a assegurar um efeito de longo prazo. As organizações parceiras oriundas de várias regiões MED com clusters relevantes no Sector apresentam perfis integrados – autoridades públicas, organizações intermediárias, universidades e ONGs – vasta experiência, sólidas relações com os seus actores regionais e redes europeias. 


A parceria:

  • ASTER - Itália / Emilia-Romagna (Líder de Projecto)
  • A.M.I. - França / Provence-Alpes-Côte d'Azur
  • Município de Bolonha (CoBO) - Itália / Emilia-Romagna
  • Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) - Portugal / Alentejo
  • Universidade de Valencia (UVEG) - Espanha / Comunidad Valenciana
  • Região de Lazio - Itália / Lazio
  • Agência de Desenvolvimento Económico e Regional e Sarajevo (SERDA) – Bósnia-Herzegovina
  • Câmara Oficial de Comércio, Indústria, Serviços e Navegação de Sevilha (CCSEV) - Espanha / Andaluzia
  • Barcelona Activa – Espanha / Catalunha
  • Arty Farty - França / Rhône-Alpes

​5 parceiros associados:

  • Representação Permanente do British Council em Portugal - Portugal / Área Metropolitana de Lisboa
  • Fundação Valletta 2018 - Malta
  • Nova Iskra - Sérvia
  • Faculdade de Belas Artes - Universidade de Sevilha - Espanha / Andaluzia
  • Instituto de Cultura do Município de Barcelona – Espanha / Catalun
__________________________________________________________________________________________________________________


Plataforma Cultural e Criativa do Alentejo Central


Logo_Plataforma.png


Criada no âmbito do Grupo de Trabalho Intermunicipal para a Cultura da CIMAC, a Plataforma Cultural e Criativa do Alentejo Central surge da necessidade de conectar as atividades culturais e criativas com o desenvolvimento territorial e social.
A Estratégia Integrada de Desenvolvimento Territorial para o Alentejo Central 2014- 2020 defende, no seu domínio de intervenção “Coesão Social e Qualidade de Vida”, que a melhoria do bem-estar das populações passará, entre outros aspetos, pela melhoria das condições geradoras de criatividade, conhecimento e inovação social. 
A dimensão de serviço público na produção cultural deve ser salvaguardada e a articulação institucional entre municípios e agentes culturais deve, a este nível, potenciar não somente a animação cultural do território, como a programação em rede e a promoção de uma oferta cultural acessível nos principais polos urbanos mas também nos espaços rurais.
A médio prazo, a Plataforma pretende integrar indivíduos e organizações multidisciplinares e promover formas de articulação entre si; promover a utilização conjunta de equipamentos e serviços; promover a diversidade de ideias e valores, sem modelar ou circunscrever; informar e promover formas de financiamento diversificadas, não compartimentando o sector cultural e criativo como algo "isolado" no contexto humano e, finalmente, promover relações de longa duração, dentro do ecossistema.
A Plataforma Cultural e Criativa do Alentejo Central permite pesquisar os diversos elementos do ecossistema cultural e criativo da região.
Ao registar-se na Plataforma, enquanto agente cultural e criativo do Alentejo Central (organizações e/ou artistas que desenvolvam atividades culturais na área das artes, dos media ou dos serviços criativos) as portas para a interatividade estão abertas: poderá divulgar a sua atividade, portfólio, eventos e contactos, contactar outros agentes através de um chat de conversação, consultar uma agenda cultural do Alentejo Central atualizada organizada por tipologia de eventos e por município, ter disponível, à distância de um clique, todas as informações e características dos equipamentos culturais da região, ou até mesmo aceder a notícias relevantes para o setor cultural e criativo.
De futuro, e em estreita colaboração com a DRCA, estão previstas ações de sensibilização para decisores, atores culturais (com e sem fins lucrativos) e para audiências mais alargadas e comunidades; ações de mobilidade e a troca de experiências; atividades em rede, fóruns, mercados, reuniões de trabalho; residências artísticas e atividades educativas; ações de capacitação (formação e qualificação); Fab-labs, entre outras.
Foi neste sentido que a CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central e os seus municípios associados avançaram para aquele que é um projeto pioneiro em Portugal, incentivando a conectividade entre os agentes culturais e criativos do distrito de Évora, abrindo espaço para soluções de mobilidade que promovam o seu encontro, a partilha de experiências, o trabalho em parceria, a formação e qualificação e a ligação ao exterior.


​​_________________________________________________________________________________________________________________


3C4 Incubators (2013-2015)

Projeto que decorre do projeto ICE, com o objetivo de capitalização dos resultados promovendo-se a disseminação dos resultados e troca de experiências com outros projetos. O Projeto 3C 4 Incubators (iniciado em Julho de 2013) resulta assim da fusão de quatro projetos anteriores, todos eles na área da promoção do sector cultural e criativo enquanto fator de desenvolvimento territorial e de inovação económica e social.

A CIMAC, em estreita articulação com a ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo Central, foi coordenadora do projeto ICE – Incubators for Cultural Enterprises, e é também coordenadora desta nova parceria. O projeto tem vindo a desenvolver diversas atividades destinadas sobretudo ao Sector cultural produtivo; a estruturas de apoio à criação destas empresas e/ou de experimentação e à promoção do envolvimento institucional do Território.

Foto36_ICE.JPG 

_________________________________________________________________________________________________________________


ICE - Incubators for Cultural Entreprises (2009-2012)

Cofinanciado pelo Programa MED (2009-2012), teve como objetivo central fortalecer as pequenas e médias empresas (PME's) que operam no setor artístico e cultural através do reforço da sua capacidade competitiva e da sua capacidade de criar valor económico e social nos territórios em causa. O I.C.E. pretendeu criar uma rede integrada de empresas culturais, na qual as mesmas podem trocar experiências e receber apoio especializado numa lógica de gestão empresarial adequada à atividade cultural.

Depois de uma primeira fase de levantamento de informação e seleção, o I.C.E. criou uma rede de 44 PME's de arte e cultura, oriundas dos seis territórios parceiros.

© 2014 - Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central Termos de Responsabilidades Condições de Privacidade made by |create| it |